Reflexões

Improviso sobre a lucidez

Improviso sobre a lucidez

Estava aqui, parado. À espera que algo saísse. As palavras viajam depressa demais para as poder agarrar. O corpo, inquieto, embora aos olhos dos outros seja impossível de perceber, fala tão alto que não me deixa ouvir os violinos que, segundo leio no ecrã do computador, deveriam estar a fazer-se escutar através dos fios brancos que me caiem das orelhas.

Reflexões sobre o tempo e outras coisas

Reflexões sobre o tempo e outras coisas

...

Eu não me importo de dar trabalho, não me importo de poder ser considerado chato, monótono, contracorrente. Não me importo porque acredito que esta vontade de querer tudo, ou quase tudo, rápido, fácil, com alto impacto, de baixo custo e de elevadas replicabilidade e versatilidade, não é apenas ilusório, é errado e contranatura.

Acredito que nós humanos necessitamos de tempo. Tempo para dormir, tempo para aprender, tempo para brincar, tempo para trabalhar, tempo para produzir e tempo para fazer nada. 

Quem disse que tempo é dinheiro? Tempo é tempo!

...

Outros benefícios (?) das redes sociais

Outros benefícios (?) das redes sociais

(...)

Há estudos que nos explicam o número exacto de caracteres que um texto deve ter para poder ser lido por mais pessoas e, de forma mais precisa, para não enfadar nem levar ao abandono da sua leitura; há quem saiba o número exacto de minutos e segundos que um vídeo deve ter para ser visto até ao fim. 

Quando alguém afirmar que sabe quantas relações estabelecidas através das redes sociais são necessárias para atingirmos a felicidade estamos salvos ou condenados. 

Embora reconheça que estas capacidades são úteis e podem ajudar na adaptação ao mundo de hoje, tenho para mim que não podemos, não posso, deixar-me levar por esta onda. Há que reclamar o direito, ao ócio, à atenção, à presença, ao afecto autêntico e genuíno. Tudo isto leva tempo e muitos mais caracteres e minutos do que qualquer artigo ou vídeo fabricados a pensar na geração da “internet”, que somos todos nós que nela estamos.

Os beneficios (?) das redes sociais

Os beneficios (?) das redes sociais

(...)

Um dos argumentos muito utilizados por todas as redes sociais é a oportunidade de ligação entre as pessoas que proporcionam. De facto, através delas, movem-se pessoas que criam revoluções necessárias; vêem-se projectos a nascer que nunca veriam a luz do dia sem a sua existência; assiste-se a reencontros entre velhos amigos, familiares distantes, animais perdidos e outras felizes e infelizes tragédias da humanidade.

Por outro lado, criam condições para um novo tipo de violêncianovos tipos de manipulação e censura. Criam também, para mim, um dos seus maiores perigos, a ilusão de companhia que pode levar à solidão e isolamento.

Curioso este aparente paradoxo: as redes sociais podem levar à solidão e ao isolamento.

Portanto, acredito que, como em tudo, as redes sociais têm tanto de vantajoso como de perigoso. Tudo dependerá de quem está por detrás do gatilho ou, neste caso, de quem pressiona a tecla “enter”.